I finished college now? Masters, Post or MBA?

Many young people find themselves faced with the same dilemma at the time of their IT graduation: I finished college, now what? Do I have a master’s degree, post or MBA? The answer will depend on what you want for your career.

Those who are thinking of doing a master’s degree should bear in mind that their greatest benefit will be the possibility of teaching classes in both public and private universities, but today the Brazilian university market has a problem, the saturation of masters and doctors in the staff Monografias Prontas, Dissertação de Mestrado e Tese de Doutorado.

The MEC obliges that universities have an “x” number of masters and doctors, for the great majority of universities that number has been reached 4 years ago, but what about the rest of the masters and doctors who are graduating? Will they get vacancies as teachers? Yes, in the cases of end of the academic period where the universities exempt professors for n reasons or in the case of the opening of new campus and in public competitions.

Many who read this post will say that Google hires masters and doctors, and true, but how many are formed annually and how many Google hires? I know a good amount of professionals who have chosen the academic life and have spent almost 2 decades in university, resulting in postdoctoral studies.

Diploma in the right hand, half page resume as left hand experience and we go to the market. Unfortunately they will receive a no response from hundreds of companies and this does not happen only in Brazil. A report recently published in the New Yorker magazine presented a serious problem that is affecting many American families, their sons and daughters in the 30’s, super qualified but with no experience in the market, result … they moved back to live with their parents Monografias Prontas, Dissertação de Mestrado e Tese de Doutorado.

IT companies, for the most part, have stopped worrying about professional training, especially outsourcing companies, they want to know two things about you:

Do you know how to solve the customer problem quickly and satisfactorily? you are cheap

Why IT service companies should hire a professional with doctorate or master’s degree to give support on windows, linux and firewall servers? That’s what business owners, directors, and managers speak to HR. I’ve seen IT companies that HR started to act in the simple hiring a professional, taking care of only the paperwork. The HR does not make the selection since it does not have the technical knowledge to evaluate if a certain candidate has the necessary technical knowledge for that vacancy, the approved candidate is directed to HR for documentation and medical examination.

I also know full-fledged analysts who earn more than masters and even PhDs. Owning an academic degree in IT has become a personal desire and not a guarantee of high salaries.

Postgraduate and MBA`s have become shelf items in Brazil, reaching the sum of being used as bargaining by companies for an employee to be retained for a period of 3 years. Management and management positions still have as prerequisites a postgraduate or MBA, but we work with IT and know the proportion of analysts for managers and directors.

It is not a simple title that will qualify you for such a position, but there is another point, I have already met a number of professionals who have changed their area of ​​expertise in IT after having done a post. It is the set of experience in a course that opens other horizons Monografias Prontas, Dissertação de Mestrado e Tese de Doutorado.

I know the decision is difficult, but the tip I give is this:

Regardless of the pros and cons of each course, consider personal and financial investment in the long run, this will make all the difference.

I finished college: should I do a Graduate?

Nowadays, the idea that a college is essential is already consolidated Monografias Prontas, Dissertação de Mestrado e Tese de Doutorado. In addition to ensuring the best opportunities in the job market, a graduate also makes the person evolve in every aspect. In this way, when the student completes the course, he is already more open to the new options that the world offers. Often, at this point, a question also arises: do I need to do a graduate degree?

The point is that, sooner or later, the need for an upgrade or a specialization will knock on the door. And the answer to the above question is: yes, for sure.

Without losing the limelight
Those who complete a college also already understand the importance of teaching and never stop learning. With that in mind, many students take the plunge and are already in a postgraduate course Monografias Prontas, Dissertação de Mestrado e Tese de Doutorado.

postgraduate 1

The idea, with this, is not to lose the momentum, since the student is accustomed to the routine of studies. The ease in dealing with this in a Graduate will be even greater, precisely because, most of the time, there are only two classes per week or per fortnight.

Wait a little
Some graduates prefer to wait a little while to start a graduate course. Sometimes this may be connected to your need to mature a little more professionally or even financially.

This is also a good option, however, the student (now a trained professional) must be careful not to settle. Waiting too long to go back to school may cause opportunities to be lost in the professional world or to delay the possibility of some dreams. Do not be put off by the accommodation! Monografias Prontas, Dissertação de Mestrado e Tese de Doutorado.

THE STUDENT TRAINING TRAJECTORY COLLEGE STUDENTS

The article presents an excerpt from research carried out with university students in which the focus was centered on the trajectory of training of university students, the insertion in higher education and the marks of school cultures and school mathematics in these trajectories.
I bring to the appreciation in this text the narratives of the experiences of two students who participated in the research that study Pharmacy and Nursing at the University of São Francisco (USF), Campus of Bragança Paulista.
In this study, I consider the trajectory of formation the path taken by students in the basic school until insertion in higher education, including the concept of trajectory from Schütze (2010). For the author, the term refers to the structures in the course of individual life, starting from the thesis that “there are elementary forms which, in principle (even if they present only a few vestiges), can be found in many biographies” .
The research is a qualitative approach approaching biographical studies in education, having as methodological instruments narrative interviews and audio-recording of discussion groups, whose encounters generated oral narratives.
The focus of this study focuses on the life and training narratives of young university students about their trajectories of formation, in terms of identifying the brands that bring in the trajectory, specifically the marks of school mathematics and school cultures and the process of insertion in higher education. This problem has pertinent contours to the trajectories of training of Brazilian young people who are inserted in the higher education of the country, in particular, higher education of the private sector.
It is also important to identify the representation of the school mathematics and their respective brands in the course of these young students, understanding the insertion in higher education as a continuity of the training trajectory, corroborating the profile of what it is to be a university student.
In this sense it is the question: What are the marks of the school culture that young people bring in their memory in the trajectory of formation? What do they tell about school? This will be the focus of this chapter.
The research has as objective to know the trajectories of training of young university students and the pathways for insertion in higher education, and as specific objectives:
 To know the marks of the school cultures in the trajectory of formation of the university students;
 Identify the determinants of the training path for the insertion of these young people into higher education.
The subject is relevant through the need to understand the conditions that currently exist for young Brazilians, regarding the continuity of their studies, in addition to basic education. The training trajectory, for some young people, does not end with high school leaving; many plead for higher education and, failing to do so, leave for technical and vocational training, considering their economic needs, social pressures, family, as well as the personal search for specific training.

To look at the training paths of these university students is to understand that the process of insertion in higher education is a continuation of their trajectory, taking into account that they are students who have traveled in entry into the private university, through determinants of their own trajectory.
I passed the school and got to the university!
I have always been a good student, I have always been very dedicated, since I started to speak and read very early, even before going to school. I feel I had a good education; my teachers always liked me, because I’ve always been very
studious, but I changed a lot of school, because I had some problems in the schools that I passed. I suffered what is considered today as bullying in schools, when I was younger, so I changed a lot of school.
Later my mother put me in the preschool, it was quiet! And then put me in elementary school, there was more difficult. I really enjoyed studying, reading the books, the lessons, but I did not like to go to school, and so I missed a lot, but I always had a good grade, but I was missing a lot and I even thought I would feel a little of lag in this, but I was committed and managed to pass well in all matters Monografias Prontas.
I’ve always been a little fussy and my colleagues called me fat, whale and excluded me from the games, the work and I suffered a lot from that, I always suffered from it. It was not easy, it was difficult, because I do not know, my way did not please people very much, there were a lot of people who did not like me, it was very difficult to go to school, I felt bad, I had very few friends, few, some stayed forever, but I had very few friends and I felt bad, it was not easy, it was very difficult, I think that’s why I worked at school, to give a start, to get attention somehow and me highlight in some way.
I’m not an athlete, I do not sing, I did not do anything different, but I think studying was the way to excel in school, but it was very difficult because the school, despite being an environment that we have to feel good about, I I never felt good in school, I did not like going to school, although I had nice teachers and I liked being close to them, I did not like it, it was difficult, I suffered a lot from living with my classmates, maybe for being more timid, was more in mine and did not like to talk.
I chose to do Pharmacy in the third high school, in fact I always wanted to go to college, I already changed several times, I wanted to do Psychology, I wanted to do Physical Therapy, I wanted to take care of children, then I wanted to do Chemistry, all connected to chemistry, always connected to the health area, and I chose Pharmacy in the third high school, it was like this, in the final stretch, with little time to decide, at first I did not know if it was going to be cool, I became interested because of the chemistry. I figured I’d mess around with this part, so I chose Pharmacy, with the guidance of the chemistry teacher; she said it would be interesting.
Given the analysis of the life and training narratives presented, what remains are marks related to the bonds of friendship made between peers during the course of formation, the lived experiences of acceptance and acceptance, as well as isolation and discrimination. This confirms positions such as those of Dayrell (2007), Barbosa (2007) and Perrenoud (1995) that the school is also a kind of socialization of children, adolescents and young people. Spaces that, for many, become places of affective coexistence. For some, fair spaces, as Dubet (2008) considers. Either way, the school made the difference – positive or negative – in the lives of these students.
To think about the memories of the school is to think of a time of discovery, of conviviality and of closer ties of friendships. Many students tell the friends made at school that are still part of their life story. The school appears as a place of formation of one’s own identity based on the challenges posed to students.
Such challenges include the overcoming of being detached from the family nucleus in which the student happens to live with people and spaces different from those usual, the school becomes meaning as a place in the life of these students, from
of the experiences it experiences, as Viñao Frago and Escolano (2001) point out. Experiences often involve moments of pain, helplessness, in which they have to face the unknown, other times the experiences have been pleasurable and covered with good memories.
The students also narrate the marks left by the classifications given by the school system and, consequently, by the teachers, from the repetitions, the rigid posture of the teachers and the subjective placement given to those which does not have the expected school success, as Dubet (2008) points out.
Faced with these notes, I understand that the memories of school, teachers and school mathematics signal the marks and directions for the trajectory of formation of the university students, brands that I conceive the accompanying them in the process of insertion in the higher education, as well as, accompany in the university formation.

The University and the with a comprehensive education

A Conferência Mundial de Educação (UNESCO- Paris 1998) definiu em sua Declaração Mundial sobre Educação Superior no Século XXI que as Instituições de Ensino Superior (IES) devem trabalhar para que seus estudantes se tornem cidadãos
bem informados, providos de sentido crítico e capazes de analisar os problemas da sociedade, em busca de soluções, assumindo responsabilidade social.
Outros documentos produzidos, sobretudo a partir das três últimas décadas do século XX colocam à Universidade o desafio de formar profissionais competentes do ponto vista técnico, mas também com compromisso ético e político para a construção de uma sociedade mais justa e equânime.
A Universidade vem sendo chamada a se reorganizar e ressignificar, criando e difundindo seus valores de forma a promover a melhoria da condição humana em suas múltiplas dimensões.
Tais demandas apontam para a necessidade de revisão de métodos, práticas, objetivos, currículos. Mais do que isso, implicam na promoção de discussões constantes acerca dos objetivos educacionais da universidade, visando
a transformação do conhecimento e o desenvolvimento humano.
Emerge, então, a preocupação com o estudante universitário e a promoção de condições para o seu desenvolvimento integral, para atingir seu nível de excelência pessoal e preparo para exercer um papel atuante na sociedade.
Inúmeros estudos têm sido produzidos para aprofundar o conhecimento sobre temas diversos envolvendo o cotidiano universitário, tais como sucesso e insucesso acadêmico, fatores de estresse na formação acadêmica, saúde mental do estudante, formação de atitudes e competências especificas, entre outros.
É importante compreender que o aprendizado do aluno bem como todo o seu processo de adaptação ao ensino superior devem levar em conta diversas variáveis que podem impactar o ajustamento acadêmico. Uma compreensão apropriada dessa fase estudantil exige que se atente para as características individuais e de personalidade do estudante, para a relação professor aluno, para o contexto e histórico institucional.
Essa multiplicidade de variáveis merece ser considerada quando, por exemplo, torna-se necessário diagnosticar e intervir nos fatores de insucesso escolar. Como é possível perceber, assumir o compromisso com a formação integral do estudante significa olhar para além do processo ensino-aprendizagem, reconhecendo que este jovem passa por momentos de vulnerabilidade ao longo de sua formação, e as IES devem estar preparadas para apoia-lo e acolhe-lo em tais situações.
No geral os estudantes ingressantes trazem inicialmente expectativas positivas em relação a sua futura experiência acadêmica. No entanto podem ocorrer contradições entre esses sentimentos iniciais e o quê a universidade efetivamente oferece.
A entrada na Uni ada na Universidade: sidade: peculia- peculiaridades de um período de transição Um dos períodos de maior vulnerabilidade identificados pela literatura é o ingresso na Universidade, comumente marcado por conflitos decorrentes da adaptação ao meio universitário e da aproximação à profissão escolhida.
O ingresso na Universidade é um período bastante peculiar do curso de vida. Marca uma transição importante do final da adolescência para o início da vida adulta e desafia o estudante a assumir novas posturas, descobrir novas formas de estudar, aprender, conviver e participar.
Coincide, também, com o momento da escolha profissional, que representa para muitos jovens um período de conflito não apenas pela escolha e identificação com uma profissão, como também pelos desafios a serem enfrentados nesse novo contexto.
Para que esse período de adaptação seja um processo tranquilo é necessário que o jovem tenha passado por fases anteriores de desenvolvimento de forma estável e resolutiva. Por isso, a entrada na Universidade para um adulto jovem não deve ser analisada a partir de fatores isolados, mas considerando um conjunto de situações produzidas por influências institucionais, sociais, econômicas e históricas Monografias Prontas.
Além disso, em se tratando de cursos de área da saúde em uma instituição pública, é importante considerar que a sociedade volta-se para esse sujeito com expectativas sobre seu comportamento e êxito acadêmico, bem como sobre o retorno de todo o investimento feito em sua educação.
No contexto da educação universitária “aprender” ganha um novo significado, e coloca sobre o estudante enorme responsabilidade, pois, de fato, ele escolheu uma carreira e ao deixar a Universidade será um profissional, com compromissos e responsabilidades assumidos frente à sociedade Nesse sentido a experiência do processo ensino- aprendizagem é muito diversa daquela vivida anteriormente no ensino médio, onde o estudante tinha que “dar conta” de conteúdos que nem sempre lhe interessavam. Na Universidade tudo que se propõe ao aluno, desde o primeiro dia de aula, é importante para a aquisição de habilidades e competências necessárias ao futuro profissional.
O estudante vê-se então diante de um novo cenário e com novas demandas a enfrentar, e a responsabilidade com sua formação aumenta de forma considerável. Espera- se envolvimento, iniciativa, responsabilidade e autonomia. Espera-se que ele se organize para apreender o que lhe será apresentado ao longo da graduação, nunca perdendo de vista que depois de formado deverá estar apto a exercer a profissão de forma ética, crítica, consciente competente. O início da vida universitária é marcado por uma convergência de situações que são apresentadas ao estudante, que é chamado a adaptar-se a esse novo meio social. Essa adaptação pode ser difícil ao “calouro”: uma nova “escola”, novos colegas, novas responsabilidades, muitas vezes numa outra cidade e distante de sua família.
Olhando para todos os eventos que se juntam nesse momento do ingresso na educação universitária, é necessário considerar que a maioria dos calouros está na faixa- etária dos 17 aos 20 anos, ou seja, no final da adolescência, enfrentando a transição final para o ingresso na vida adulta. Assim, serão apresentadas a seguir algumas possibilidades que a Psicologia do Desenvolvimento oferece para a compreensão da adaptação e do enfrentamento de desafios
ao longo do curso da vida.

UNIVERSIDADES E FACULDADES

Universidades e faculdades têm interesses substanciais na promoção de seu corpo docente e nos campos que representam. O patrocínio da publicação poderia traduzir os interesses institucionais em produtos digitais de primeira classe, representando uma fonte sustentável de renda para publicações acadêmicas de longa duração no futuro. Há duas linhas de pensamento que as universidades estão explorando atualmente: um modelo direto de pagar para publicar como uma forma de financiar a publicação de monografias e um modelo um pouco menos direto no qual há um agente no campus que ajuda na edição de desenvolvimento e colocação trabalha com prensas Monografias Prontas.

Com o apoio da Mellon, as universidades de Indiana, Michigan e Emory passaram por um modelo no qual as instituições patrocinariam e pagariam para publicar as obras de pelo menos algumas das monografias produzidas por seus professores. A essência do modelo é a seguinte Dissertação de Mestrado e Tese de Doutorado:

1. Presses recrutar autores e rever a qualidade de suas publicações através de meios normais.

2. Instituições selecionam autores para participar de um modelo de pagar para publicar; os autores poderiam recusar e buscar formas tradicionais de publicação.

3. Por um preço negociado que a instituição do autor selecionado pagaria, a imprensa produz uma publicação digital bem projetada que:

uma. Depositar em pelo menos um repositório de preservação confiável com metadados completos;

b. Disponibilizar on-line sob uma licença Creative Commons acordada;

c. Mercado através das mídias sociais, e

d. Envie para prêmios disciplinares e prêmios.

4. As prensas também poderiam vender trabalhos derivados para outros mercados (impressão sob demanda ou em formatos da Amazon) ou gerar novos serviços para venda para gerar receita adicional.

Cada uma das três instituições considerou o modelo pay-to-publish viável. Michigan e Emory estão agora acompanhando os planos de redigir contratos-modelo entre a universidade e o autor, o autor e a imprensa, e a universidade e a imprensa Monografias Prontas.

A idéia de um agente do campus e de outros meios de apoio institucional à produção de livros digitais está sendo explorada com o apoio da Mellon na Brown University e nas Universidades de Connecticut e Illinois em Urbana-Champaign. Esses experimentos prometem desafiar e competir com o processo de aquisição de livros de imprensa da universidade, uma das atividades mais caras e opacas identificadas no estudo de Ithaka.

Publicação Monográfica na Era Digital

Rica, desafiadora e substantiva como essa lista de recursos pode ser, observe que ela não inclui acesso aberto como um recurso de definição. A Fundação Mellon apóia fortemente o acesso aberto e acredita que ele desempenhará um papel importante em como sua visão da monografia do futuro é alcançada, mas o acesso aberto é um dos meios para os fins que imaginamos, não um fim em si mesmo.

Algumas partes dessa visão estão bem ao alcance. Por exemplo, uma série de experimentos financiados pela Mellon sobre anotação digital levou ao padrão Open Annotation do World Wide Web Consortium, que agora está sendo amplamente implementado pelo Hypothesis Project e outros Dissertação de Mestrado e Tese de Doutorado. No entanto, faltam outras peças e há muitos pontos de resistência. Isto não é apenas porque ninguém está interessado em mudanças. Em vez disso, o sistema é grande, entrincheirado e complexo e, portanto, não há uma única alavanca confiável de mudança. Além disso, como John Maxwell, da Simon Fraser University, observou em resposta ao nosso pedido de rever a abordagem da Mellon a este complicado sistema, a importância da monografia para o interior como uma credencial muitas vezes ofuscou as características externas da monografia, que são destinada a promulgar ampla compreensão da pesquisa em humanidades. A Mellon está adotando as dimensões institucionais e de construção de mercado da mudança necessárias em uma iniciativa de financiamento plurianual e multifacetada. Até agora, em pouco mais de um ano, a Fundação fez 21 concessões nesta iniciativa, totalizando mais de US $ 10 milhões.

QUANTIDADE E CUSTOS
A Fundação iniciou esta iniciativa com duas perguntas básicas. Quantas monografias prontas são produzidas e quais são os custos da publicação de monografias. A questão de quantos é uma medida de significância. Joseph Esposito explorou essa questão para nós, navegando na difícil questão de definição do que é uma monografia. Por razões práticas, excluímos a produção de editores comerciais, assim como Oxford e Cambridge. Também limitamos a pesquisa a editoras universitárias americanas e descobrimos que elas publicam aproximadamente 3.000 monografias por ano. Por qualquer medida, esse é um número significativo de trabalhos que se somam à base da bolsa de estudos de humanidades a cada ano. Nós construímos esses dados pedindo à OCLC que combine os ISBNs com seus registros de acervos e agora estão criando um perfil de compras de bibliotecas e campos de ciências humanas, pelo número da classe LC em que os livros são publicados.

Em 2014, a ITHAKA S + R começou a trabalhar com 20 editoras universitárias para estabelecer os custos da publicação de monografias, que se mostraram substanciais. A University of California Press, em sua iniciativa Luminos Open Access, cita um custo de referência de US $ 15.000. Raym Crow em seu estudo para a Associação de Universidades Americanas e Associação de Bibliotecas de Pesquisa estimou o custo médio em US $ 20.000 por livro. Em um estudo recentemente financiado pela Mellon, as prensas da universidade em Indiana e Michigan colocaram os custos médios, respectivamente, em US $ 26.700 e US $ 27.600. O estudo de custo da Ithaka tenta obter os custos totais do primeiro arquivo digital; isto é, excluindo os custos de impressão e distribuição de cópias impressas, mas incluindo marketing e custos indiretos. O estudo relata custos médios que variam de US $ 30.000 por livro para o grupo das menores editoras universitárias a mais de US $ 49.000 por livro para o grupo das maiores impressoras. Estes são custos apenas para publicação de monografias; os custos de gêneros inovadores de formato longo que são não-lineares, intensivos em dados ou ricos em multimídia ainda não são bem compreendidos. Essas estimativas de custo são preocupantes: 3.000 livros por ano a uma média de custo de livro de US $ 30.000 gera um custo total de aproximadamente US $ 90 milhões somente nos EUA.

Como esses custos podem ser concedidos em um novo regime de publicação monografias prontas de formato longo? Pode a necessidade de avançar com bolsas de estudo ser conciliada com a necessidade de reduzir os custos da monografia e de outras publicações de formato longo para níveis acessíveis? Vejamos essas questões da perspectiva da faculdade, da universidade, das editoras e do leitor.

O VALOR DA PUBLICAÇÃO NAS HUMANIDADES

Ao se debaterem com essa questão-chave, os reitores exploraram vários aspectos de uma questão muito maior: como as universidades moldam melhor a formação, a interpretação e a disseminação do conhecimento às necessidades e mídias públicas emergentes? Quais características definem a qualidade do argumento monografias prontas acadêmico? Se a monografia está sendo cada vez mais desafiada como um componente viável dos sistemas de comunicações acadêmicas, que outros gêneros são necessários para disseminar o conhecimento nas humanidades?

Nos últimos 20 anos, quase todas as conversas sobre mudanças nas comunicações acadêmicas focaram monotonamente em seriados. Essa discussão foi dominada pela necessidade de acesso aberto com seus debates pedantes sobre o significado das cores ouro e verde. A proliferação de financiadores e de mandatos universitários requer o desenvolvimento de estruturas institucionais dispendiosas de notificação e monitoramento de conformidade e estão resultando em guerrilhas de evasão entre vários segmentos do corpo docente, que podem até ter votado pelos mandatos em seus campi, mas acreditam que não não – ou não deveria – aplicar-se a si mesmos Dissertação de Mestrado e Tese de Doutorado.

São estes os tópicos da conversa que os membros da academia realmente querem ter sobre as comunicações acadêmicas nas humanidades? A publicação nas humanidades está destinada a seguir o modelo dos periódicos, o que equivale a pouco mais do que artigos altamente lucrativos, impressos no Portable Document Format, que tiram proveito de poucas ou nenhumas das possibilidades interativas, anotativas e computacionais do rede? Os estudiosos e os editores das humanidades não devem abordar a questão central, que os reitores de humanidades expressaram como uma preocupação profunda de que o ensino superior não está conseguindo atingir seus principais públicos na mídia on-line que eles estão usando naturalmente? Não é hora de ampliar nossa visão da publicação acadêmica para incluir outras formas de publicação, incluindo monografias prontas?

NOVA INFRAESTRUTURA PARA PUBLICAÇÃO DE LONGA DURAÇÃO
A Fundação Andrew W. Mellon é uma filantropia privada baseada em Nova York que apoia o ensino superior e as artes. O programa Mellon que eu lidero é o Scholarly Communications, que suporta bibliotecas acadêmicas e editoras acadêmicas. Um dos nossos objetivos no programa de Comunicações Acadêmicas é ajudar a incorporar práticas digitais modernas na publicação de bolsas de estudo nas ciências humanas e garantir sua disseminação para o público mais amplo possível.

Qual é a diferença entre uma monografia, um livro, uma revista e uma revista?

Uma monografias prontas é um livro especializado sobre um único assunto escrito por um autor. Por exemplo: a monografia de Jai Arjun Singh sobre o filme Jane Bhi Do Yaaro, Jane Bhi Do Yaaro: Sério Engraçado Desde 1983.

Um artigo de pesquisa é escrito para registrar insights em um tópico específico em uma área acadêmica, seja nas artes, nas ciências ou nas ciências sociais. O tom de um trabalho de pesquisa é sério e não faz sentido. Geralmente lida com assuntos sérios, são muito detalhados e seguem um formato estrito de referenciar outros livros ou artigos ou fontes mencionados. Isso depende da disciplina. A literatura inglesa prefere o estilo de documentação do MLA. As ciências sociais preferem o estilo de documentação da APA. Os trabalhos de pesquisa são publicados em um periódico. Eles podem ser de autoria de uma pessoa ou várias pessoas. Por exemplo: artigos publicados na revista Nature.

Uma revista é uma coleção de trabalhos de pesquisa acadêmica ou escrita de várias pessoas com base em um tema e publicada de tempos em tempos (semanalmente, quinzenalmente, mensalmente, bimestralmente, anualmente, semestralmente). O tom de uma revista é sério. Uma revista tem vários autores. Eles são numerados ou recebem nomes sazonais para acompanhar os problemas. Por exemplo: Monografias Prontas

Uma revista é uma coleção de artigos que não se baseiam em um assunto acadêmico, mas sim um tema impresso ou eletrônico ou ambos. Há revistas baseadas em notícias (a Semana, India Today), recursos (Open), ciência e tecnologia (Wired), história natural (National Geographic), viagens (Outlook Traveler), moda (Elle, Cosmopolitan) e fotografia (Photographer) entre outros. Eles são publicados de tempos em tempos (semanalmente, quinzenalmente, mensalmente, bimestralmente, anualmente, semestralmente). O tom de uma revista pode ser sério ou leve. As revistas também são numeradas para acompanhar os problemas publicados Dissertação de Mestrado e Tese de Doutorado.

Um livro – em um sentido acadêmico – é uma exploração detalhada em muitas páginas sobre um determinado assunto. Eles podem ser uma coleção de artigos escritos por um autor ou vários autores. Por exemplo: “The Wonder That is India”, de A.L Basham. Teses de doutorado podem ser publicadas como livros acadêmicos. Há livros escritos em praticamente qualquer assunto sob o sol e em qualquer tom.